consultorio psicologia florianopolis terapia casal individual familiar
psicologia clinica florianopolis

Terapia Casal


algumas reflexões

Constituição do casal e o conflito conjugal

As pesquisas atuais sobre conjugalidade divergem das consagradas concepções de um par ideal, elas tratam dos aspectos relacionais do casal, ou seja, como as interrelações proporcionam a união ou a separação do par. Prado, ao estudar a conjugalidade nos processos de separação, observou que 'as pessoas podem ser realmente conhecidas pelo modo como lidam com as separações'. Os mais calmos podem se tornar coléricos, os rígidos podem se mostrar flexíveis, não há uma regra ou condição de se prever como serão as reações durante a união ou processo de separação, pois o conflito revive décadas de aprendizado de como cada um internalizou sua trajetória. Os conflitos conjugais, além de trazerem à tona o passado, suscitam questões: comunicacionais, culturais, econômicas, profissionais, relacionais, familiares, sexuais, etc.

Com relativa frequência, uma questão aparece nos temas sobre a conjugalidade:como unir o que não foi separado? Certas famílias impedem, inconscientemente, a emancipação dos filhos e em uma nova relação, como namoro ou casamento, instala-se um dilema no qual o novo casal só pode existir se não colocar em risco a rígida lógica familiar, uma tendência que procura não modificar a(s) família(s) de origem. Assim, nestes casos, quando uma nova união se estabelece, vários mecanismos passarão a atuar no sentido da não alteração.

Uma união implica, invariavelmente, a despedida dos antigos vínculos, uma fase permeada por sentimentos ambíguos de desamparo e que podem abalar a constituição da necessária cumplicidade do casal. Assim, após a fase da paixão, da elaboração das perdas de suas famílias de origem, é que o novo relacionamento poderá se estabelecer de forma consistente. Entretanto, quando os vínculos anteriores estão muito fortes, a nova união será dificultada.
O aprendizado da conjugalidade demanda os ingredientes básicos inerentes aos casais: amor, carinho, companheirismo, projeto em comum..., que auxilia e fortalece o casal, permitindo que ultrapasse as dificuldades com maior facilidade. Este contínuo aprendizado que o contato íntimo proporciona, de se mostrarem mutuamente como verdadeiramente são, fortalece a cumplicidade do casal e ao adquirirem característica de 'unidade', crescem.

Um dos sintomas negativos mais que permeiam os relacionamentos (família, casal, etc.) é a falta de maleabilidade nas regras e a impossibilidade de troca nos papéis: tudo é muito certinho e todos sabem exatamente como se comportar. As mudanças não são permitidas e os papéis são extremamente definidos não importa o tipo, pode ser brincalhão, irreverente, ranzinza, zangado, atrapalhado, sedutor, etc. Durante a terapia, cada um pode se deparar com suas crenças, mitos, verdades e histórias, e assim se abrem possibilidades para as impossibilidades.

Nas épocas de crise, alguns tendem a uma retomada de suas "verdades fundamentais" e nestas estão as ideias imputadas pela sociedade, cultura e família de origem. E, justamente, no confronto do âmbito social/cultural com o familiar que se observa um conjunto de ideias espraiadas por toda América-latina, que é expresso pelo fatalismo, no qual a própria ação do sujeito não poderá modificar o seu destino. Tal influência pode ser observada na tendência do sujeito remeter às instâncias superiores (figuras de poder: professor, pai, juiz, padre, médico...) suas responsabilidades e projetos de vida, se esquivando de tomar conta de sua vida. Uma situação que coloca em risco a formação do casal, pois tais tendências tendem a solapar as tentativas de constituição de identidade e autonomia, necessárias a cada um, ao casal e à nova família.

Referências bibliográficas

PRADO, Luiz Carlos. Amor & violência nos casais e nas famílias.Porto Alegre: UFRGS, 2004.. 

ajuda   |   busca no site   |   contato   |   termos de uso   |   imprensa   |   usuários   |   home
R. Pres. Coutinho, 311 sala 308 - Florianópolis - Santa Catarina - Consultório (48)  3025 5699