psicologia clinica florianopolis

Texto: sociedade


reflexão papéis sociais

Resposta ao questionário, de uma jornalista, sobre o papel das mulheres e os casamentos.

Gostaria de lhe fazer quatro perguntas, ... para uma matéria sobre casamento - a idéia é mostrar como a mulher atual está "enxergando" o casamento hoje...

Como se "enxerga"? Será que ao enxergar não estaríamos de "óculos" ora com lentes feministas e ora com lentes machistas? As muitas mulheres brasileiras, de Ministras de Estado às jovens sem perspectivas que só vem na prostituição a saída para sobrevivência, dificultam o olhar sobre este tema!
Para além das lentes, as possibilidades de "enxergar" tem relação com as próprias expectativas ou "sonhos" e estes não podem ser exclusividade das mulheres, pois justamente o compartilhamento e as interações que definem uma das características mais importantes do casal: a cumplicidade. Portanto, a mesma pessoa num outro relacionamento "enxerga" um outro casamento.
Do "women's movement" na década de 1960 às novas leis, que as vezes parecem ferir a isonomia, será que tudo mudou? As vezes parece que nem tudo, pois ao olharmos com outras "lentes" observamos que as necessidades de carinho, respeito, reconhecimento e aconchego, permanecem as mesmas sob as mais diferentes roupagens.

Como estamos lentamente saindo de um mundo que se via somente com as "lentes machistas", é interessante conhecer um pouco da abrangência do termo "machista", que possui mais elementos que a simples idéia de homem poderoso e que não são considerados no senso comum. O machismo deve ser considerado independentemente do sexo e a partir de uma idéia de naturalidade da realidade na qual se caracterizam a: valorização da atividade do homem; tendência à agressividade corporal; hostilização a aqueles que não compartilham dos mesmos pressupostos; supervalorização da figura idealizada da mãe e da família e, por último, grande importância ao primogênito na família (MARTÍN-BARÓ, Acción & Ideologia).

Após esta breve introdução vamos às respostas.

1- Segundo as mais recentes pesquisas do IBGE, o número de casamento nos Brasil vem crescendo. Na sua visão, as mulheres brasileiras estão resgatando o sonho do casamento?

Nos consultório psicoterápicos homens, mulheres contam sobre suas procuras e invariavelmente aparecem as tentativas de encontro de quem os reconheça e em quem possam confiar. Neste sentido a denominação "sonho de casamento" poderia ser traduzido por estabilidade, cumplicidade e confiança no(a) companheiro(a). Sei que a minha resposta difere um pouco que a idéia veiculada pelo sons das palavras: véu grinalda festa lua de mel... Mesmo vivendo numa sociedade com fortes traços pós-modernos, como Florianópolis, tanto homens quanto mulheres ficam profundamente abalados quando a confiança é rompida, ou em outras palavras quando o sonho se quebra.

Por outro lado, as pesquisas mostram um fato social cuja relação não é só de resgate de um sonho de mulher e por que não dizer sonho de homem ou do casal? Iniciarei comentando dois fatos um jurídico e outro social.
Um fato jurídico importante foi o Código Civil de 2002, no qual a união estável adquiriu status de casamento com regime parcial de bens e a cerimônia religiosa adquiriu equivalência à união civil.
Um fato social interessante é que estamos em meio a uma "troca" de comemorações, algumas deixam de ser enfatizadas enquanto outras ganham intensidade, como a reedição das festas de debutante e as colossais comemorações das formaturas escolares (primeiro grau, segundo grau e universidade). As festas tradicionais, como as religiosas, estão perdendo a força, e uma certa "necessidade social" demandasse a continuidade das comemorações e encontros festivos.
E, na confluência destes dois fatos é que observamos o incremento das festas de casamentos. Desconheço dados estatísticos atualizados que segmentem por camadas sócio-econômicas, mas certamente que a idéia de "sonho de casamento" demandam de um gasto considerável, provavelmente, salvo alguns casos de parcelamentos para pagamento da festa, as grandes comemorações aconteçam nas camadas mais economicamente favorecidas. 

Na sessão Retratos há a demonstração que a tendência de casamento civil e religioso (formalização do vínculo) são maiores nos grandes centros e nas regiões mais ricas do país.

2- Em contrapartida, também cresce muito o número de divórcios: a mulher brasileira atual sonha e busca se casar, mas recusa o papel de "Amélia"?

Certamente, mas diria nem "Amélia" e nem "Zé".
Devo, também, alertar quanto ao problema estatístico, pois uma vez que a união estável adquiriu status de casamento e havendo filhos ou problemas na divisão patrimonial a separação é necessariamente jurídica. Portanto, uma parte do incremento observado nos dados estatísticos não se deve à separação dos casamentos formais, mas às uniões estáveis. E recentemente a Lei 11.441 de janeiro 2007, que facilita a formalização para a dissolução da união, irá colocar outros problemas nos dados estatísticos.
Num outro trabalho, que realizei em 2004, ficou nítido que a maior quantidade de separações ocorre nas uniões estáveis, o que pode indicar que os casais que optam pela cerimônia religiosa e rito cartorial de certa forma tem mais tempo para refletir sobre este importante passo e/ou outra relação com os valores subjacentes ao casamento.

  ..."mas recusa o papel de "Amélia"?" 
Certamente, mas as recusas não ocorrem sem controvérsias. Pensando nos avanços das sociedades pós-modernas, vemos que uma característica paradoxal se destaca: nas sociedades atuais há um incremento no contato com as diferenças e um concomitante incremento da impaciência e da intolerância: tudo deve ser instantâneo. As diferenças demandam maior tempo para assimilação e as pessoas estão mais impacientes! De forma correlata, no casamento a igualdade de papéis entre homens e mulheres demanda que a mulher abdique da simplicidade da vida doméstica e o homem abdique do papel de provedor exclusivo. E, esta mudança demanda tempo e perseverança, pois outras transições devem ocorrer nas demais camadas sociais.
Observe que se este sintoma social de intolerância pode ser mais acentuado em determinados segmentos sociais, no qual o não atendimento às expectativas se torna motivador para o rompimento. Imagine um decalque deste fenômeno no âmbito relacional, seria como se as pessoas fizessem em seus relacionamentos afetivos o que a mídia estimula os indivíduos a fazerem com os produtos: descartar e trocar por outro mais atualizado.
Num outro extremo social, longe dos grandes centros urbanos. A recente notícia, janeiro 2007, que a função social da Lei Maria da Penha ainda não surtiu qualquer dos efeitos esperados, demonstra que há muitos outros aspectos a serem considerados antes de postularmos o fim da "Amélia".

3- Na sua visão, o que mais mudou no Brasil na relação "mulher brasileira e casamento"?

Nos grandes centros, nas últimas décadas, o sexo deixou de ser tabu e o mercado de trabalho demanda de homens e mulheres capacitados. O estilo e as exigências da vida pós-moderna demandam que ambos colaborem para o sustento do lar e, também, para a consecução de projetos maiores. Desta forma as mulheres saíram de casa para trabalhar em funções qualificadas e adquiriram juntamente com o homem o direito e o dever de sustentar o lar e de serem profissionais competentes, como efeito colateral os filhos estão sendo institucionalizados. Na esfera sexual os casamentos também mudaram, pois tanto os homens quanto às mulheres estão mais atentos a manutenção de relações que lhes satisfaçam. Então, diria que as mudanças residem numa atuação mais efetiva da mulher, num fluxo mais igualitário de papéis profissionais e domésticos e na manutenção da satisfação afetiva e sexual.

4- Quais as principais dicas que você daria as noivas que buscam o "até que a morte os separe"?

Paciência, para que não só a noiva, mas para que o casal não tenha pressa e não se casem para sair de casa. Que tenham a possibilidade de fazer um período de teste e só casem ou se unam estavelmente após a fase da paixão passar, o que leva de um a dois anos.
Em outras palavras, o mínimo para que uma relação perdure está no aprendizado e que ambos se permitam mostrar como verdadeiramente são. Quando o encantamento passa o príncipe e a princesa viram sapos e depois, diante desta triste visão de realidade, os dois juntos podem se reconstruir admirando as virtudes e os defeitos de cada um. 




psicologia clinica florianopolis psicologa e psicoterpia
Terapia de Casal - Psicologia

título:
Os múltiplos papéis sociais das mulheres nos casamentos pós-modernos.
autor:
url:
modif.:
13 January 2017
resumo:
Neste entrevista há algumas considerações sobre os casamentos e os múltiplos papéis sociais que as mulheres desempenham na sociedade pós-moderna.
ajuda| busca no site| contato| termos de uso| imprensa| usuários| home
Florianópolis - Santa Catarina - Consultório (48)  3025 5699